LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88] 9 8801 1777

domingo, 6 de agosto de 2017

Eleitores do Amazonas vão às urnas escolher novo governador neste domingo (6)


Os eleitores do Amazonas vão às urnas domingo (6),escolher um novo governador. A eleição fora de época foi marcada porque governador e vice foram cassados sob acusação de compra de votos.

As urnas eletrônicas já estão nos municípios. A segurança da eleição conta com o apoio de tropas federais. Pouco mais de 2,3 milhões de eleitores amazonenses vão escolher um novo governador. Nove candidatos disputam a eleição.A informação é do G1.

José Melo, do PROS, teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral, no início de maio. O vice, Henrique Oliveira, do Solidariedade, também foi afastado. Os dois são acusados de compra de votos nas eleições de 2014.

O presidente da Assembleia Legislativa do estado, Davi Almeida, do PSD, assumiu o governo interinamente e o TSE determinou uma nova eleição direta. Em junho, uma decisão liminar do Supremo Tribunal Federal chegou a suspender a eleição. A liminar foi derrubada em julho. O calendário eleitoral prevê a posse do novo governador e do vice para o dia 6 de outubro.

Mas o ministro Ricardo Lewandowski, do STF, determinou que o vencedor nas urnas só vai poder ser diplomado depois que todos os recursos do governador e do vice, que tiveram os mandatos cassados, forem julgados. O Tribunal Superior Eleitoral ainda vai analisar recursos dos afastados.

"Acredito que pelo tempo que ainda vai decorrer daqui até a posse, eu penso que o TSE deve decidir essa questão”, afirmou o presidente do TRE/AM, Yedo Simões

O custo previsto para o primeiro turno é R$ 18 milhões. Se houver segundo turno, podem ser gastos outros R$ 14 milhões. Mas se o TSE aceitar os recursos do governador e do vice afastados, eles voltam aos cargos, e a eleição suplementar perde validade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário