LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88] 9 8801 1777

quarta-feira, 14 de junho de 2017

No Ceará, Quadra chuvosa deste ano ficou dentro da média histórica, afirma Funceme


O Litoral de Fortaleza registrou chuvas 14,2% acima da média histórica da quadra chuvosa (FOTO: Ádria Araújo)

Ao todo, de fevereiro a maio de 2017, o Ceará registrou 554,5 milímetros de chuva, um desvio percentual de -7,7% em relação à média registrada de 1981 a 2010 no período.

A quadra chuvosa deste ano ficou dentro dos limites da média histórica, que são 505,6 mm (inferior) e 695,8 mm (superior).

Os dados foram divulgados na manhã desta terça-feira (13) pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme).

Foi a melhor quadra chuvosa desde 2011. Foi o suficiente, segundo a Funceme, para fazer dobrar o percentual do armazenamento total de água do estado. Em janeiro, os açudes cearenses tinham 6,4% de sua capacidade; já atualmente a medida está em 12,4%, afirma Eduardo Martins, presidente da Funceme.
  

A Funceme divulgou que a região do Cariri foi a mais afetada ao longo do quadrimestre chuvoso, com desvio percentual de -23,2%. Assim como o Sertão Central e Inhamuns (-20,4%), a região registrou chuvas abaixo da média histórica.

As demais regiões, no entanto, registraram precipitações em torno de suas médias históricas: Jaguaribana (-15,5%), Ibiapaba (-6,2%), Litoral Norte (4,3%), Litoral de Pecém (6,0%), Maciço de Baturité (8,7%) e Litoral de Fortaleza (14,2%).

De acordo com a Funceme, a expectativa é de que as chuvas do restante do ano não gerem grande impacto na crise hídrica no Estado. Não há ainda perspectivas para 2018.

“Temos que aguardar setembro, outubro, que é quando esses modelos [que acompanham a evolução das condições dos oceanos] começam a ter alguma performance na sua previsão no que diz respeito às condições de temperatura da superfície do mar”, conclui Eduardo Martins.
 

Fonte  Tribuna do Ceará

Nenhum comentário:

Postar um comentário