LEIA COM ATENÇÃO

Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com WHATSAPP [88]

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Batalhão de Choque invade a CPPL 2 e controla o presídio após 18 horas de rebelião



Após 18 horas de tensão e destruição, a situação na Casa de Privação Provisória da Liberdade Professor Clodoaldo Pinto, a CPPL 2, unidade que integra o Complexo Penitenciário de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza, foi controlada pela Polícia Militar. A rebelião iniciada na tarde desta terça-feira chegou ao fim com a entrada no local de aproximadamente 60 homens do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque).

A rebelião teria sido motivada pela informação de que alguns presos daquela unidade estariam numa lista de transferências para outros presídios na Grande Fortaleza. Na CPPL 2 estão isolados bandidos que seriam integrantes da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE), além de outros que não pertencem a nenhum grupo organizados e são conhecidos portanto como membros da “Massa”.

De acordo com o comandante do BPChoque, tenente-coronel PM Henrique Bezerra, cerca de 60 homens do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), do Comando Tático Motorizado (Cotam), da Companhia de Controle de Distúrbios Civis (CDC) e do Canil, entraram no presídio e colocaram os presos de volta às celas. Os detentos haviam quebrado grades dos xadrezes e dos corredores e Vivências durante a madrugada passada.

Retorno às celas

A Polícia informou, ainda, que não houve feridos nem mortos durante o incidente. “Estamos esperando apenas o conserto de algumas grades para colocarmos todos novamente em todas as celas”, explicou o oficial.

Ainda pela manhã era possível observar colunas de fumaça saindo do presídio, em virtude dos incêndios nas celas, provocados pela queima de colchões, roupas e objetos dos próprios detentos. A Polícia também relatou que não houve nenhuma fuga.

A Secretaria da Justiça e da Cidadania ainda não se manifestou sobre o caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário